O que você deve saber sobre estimular o bebê a andar

Em um piscar de olhos, logo nos primeiros meses de vida do bebê, ele começa a engatinhar pela casa. Contudo, alguns pequeninos pulam esta fase e já começam a ensaiar seus passos antes mesmo do primeiro ano de vida. 

Outros bebês, no entanto, desfrutam de mais um tempinho até que se sintam mais seguros em solo firme.

Independentemente do caso que esteja acontecendo na sua família, algumas informações são essenciais para os pais lidarem com essa situação da melhor forma. Venha com a Pimpolho e saiba mais! 

Estimular o bebê a andar: informações essenciais!  

Antes de tudo, vale lembrar que o fato de estimular o bebê a caminhar é um processo gradativo. Apague com borracha a ideia que o pequeno acordará do dia para a noite correndo pela casa. Até lá, muitos ensaios acontecem, e todos eles com diversão garantida.

Então, se você deseja se preparar para vivenciar esse momento da melhor forma e, ainda, otimizar o desenvolvimento do seu bebê, veja abaixo os tópicos que tratamos neste conteúdo:

  1. Devo ajudar o bebê a andar mais rápido?
  2. A organização do ambiente conta muito!
  3. O contato do pé com o solo é positivo.
  4. Mantenha o diálogo aberto.
  5. Possibilite diferentes texturas e sensações.
  6. Ofereça oportunidades.
  7. Espaço lúdico também ajuda
  8. O que fazer quando o bebê tem medo de andar?

Nós da Pimpolho frisamos que é fundamental a escolha de calçados infantis que proporcionam passos firmes. Desta forma, a criança sente maior segurança nos movimentos, ensaiando vários passinhos, bem como corridas pela casa. Confira a sequência!

1. Devo ajudar o bebê a andar mais rápido?

Aprender a como estimular o bebê a andar é diferente da ideia de tentar fazer isso de forma forçada. Uma pesquisa do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fio Cruz, confirma que o tempo certo para andar é variável.

Portanto, evite comparar o tempo do seu bebê aos relatos sobre outras crianças. Cada um dos pequenos responde de maneira diferente aos estímulos que recebe. Em todo caso, o essencial é oferecer oportunidades para os movimentos!

2. A organização do ambiente conta muito!

Imagem de uma mãe com sua filha na sala de estar

Vamos nos colocar no lugar das crianças: eis que conseguimos a firmeza para os primeiros passinhos, mas no espaço da casa encontramos diversos riscos de acidentes. Que furada, não é mesmo? Por isso, um ambiente preparado deve contar com:

Além do mais, diga um “até logo” para as mobílias mais leves, como cadeirinhas de plástico, mesinhas de canto, entre outras. Desta forma, a segurança e o bem-estar dos pimpolhos estarão mais garantidas nos primeiros passos.

3. O contato do pé com o solo é positivo

Especialistas da infância apontam para a importância do contato dos pezinhos dos pequenos com o solo, que auxilia na autoconfiança. Isso quer dizer que é recomendado evitar que os primeiros passos sejam realizados em superfícies como colchões, berços, entre outros espaços acolchoados. 

4. Mantenha o diálogo aberto

Eis um ponto da nossa conversa que muitas famílias deixam de explorar. Nós da Pimpolho ressaltamos a importância do diálogo aberto em família, bem como dos momentos de descontração dos bebês. 

Vale lembrar também que limites não adoecem os nossos filhos, combinado?

5. Possibilite diferentes texturas e sensações

É importante, durante os primeiros passinhos, garantir um solo seguro e sem inclinações. Mas acredite, com o tempo, oferecer novas texturas e obstáculos é o convite perfeito para o desenvolvimento infantil.

Ou seja, tenha areia para brincadeiras em casa, bem como, convide a criança para passeios com os pés no chão, incluindo passos com direito a pedrinhas, madeiras seguras e diferentes materiais. Tudo com segurança, é claro.

6. Ofereça oportunidades

A idade que as crianças começam a andar varia entre um ano e alguns meses. Parte dos bebês começa a ensaiar os primeiros passinhos antes mesmo dos 12 meses, enquanto outras crianças levam um tempinho maior nessa fase.

E tudo bem, cada pimpolho irá trilhar um percurso diferente ao caminhar. O importante é oferecer oportunidades, afinal de contas, não existe hora certa para estímulos positivos.

7. Espaço lúdico também ajuda

Aos papais e mamães que perguntam como estimular o bebê a andar, nós aqui da Pimpolho reforçamos a seguinte resposta: crie um ambiente lúdico. É comprovada a relação que existe entre espaço e desenvolvimento do público mirim.

Portanto, adicione diversão aos cômodos, bem como ofereça brinquedos educativos às crianças, destacando a importância da diversão e brincadeira em cada uma das fases da vida.

8. O que fazer quando o bebê tem medo de andar?

Antes de tudo, lembre-se que é natural ter medo. Inclusive, é por esta e outras sensações que garantimos a sobrevivência da nossa espécie. Mas afinal de contas, como ajudar um bebê que tem medo de andar? É simples, ofereça apoio de todas as formas.

Seja mantendo um diálogo saudável, ou ainda, criando um ambiente preparado, aos poucos os pequenos vão entendendo que andar pode ser um processo seguro e divertido. A família também está convidada para essa diversão!

Gostou de conferir este conteúdo? Vale lembrar que algumas condições físicas influenciam neste processo, e para entendê-las melhor, esteja em dia com as visitas ao médico pediatra. Um abraço quentinho e até a próxima!

Deixe um comentário